A mulher que decidiu trair o marido


A traição conjugal é tão velha como a prostituição. Toda a gente conhece alguém que pula a cerca. Enquanto, antigamente, eram os homens os protagonistas das traições e muitas vezes louvados por serem uns Don Juans, hoje em dia, atrevo-me a dizer que as mulheres traem tanto ou mais que os homens e numa escala bem mais à descarada. Só não vê quem não quer. E, no entanto, continuam a viver a sua vidinha incólumes e cheias de moral e bons costumes. Não é para todas. Hoje conto-vos a história de uma mulher que decidiu trair o marido....


A Maria finalmente cedeu e concordou encontrar-se com o Zé no apartamento dele, mas insistiu em segurança total. Ninguém a poderia ver entrar ou sair do prédio, pois se o marido descobrisse ou sequer desconfiasse.... Zé jurou que ninguém a veria.
- A rua tem pouco movimento e os vizinhos só estão em casa de noite. Não há perigo. Confia em mim.
Combinaram a "Operação Encontro" minuciosamente. Ela diria ao marido que iria ao Marshopping fazer compras e aproveitar para dar uma volta no Ikea. Contando o tempo de ida e volta, eles teriam, na boa, quatro horas inteiras. Ela chegaria ao prédio sozinha, de óculos escuros e lenço na cabeça e subiria ao seu apartamento. Ele estaria lá dentro pronto a recebê-la. Certo? Maria hesitou.
- Ai, meu Deus. O Nel e as crianças.... se alguém descobrir.
Ninguém vai descobrir. Ninguém a vai ver. Terão quatro horas maravilhosas, longe do mundo, dos olhos e das línguas do povo. Maria suspirou e cedeu.
À hora combinada, Maria bateu à porta do apartamento de Zé. Além dos óculos escuros e do lenço na cabeça, trazia a gola do casaco subida e um cachecol a tapar o nariz e a boca. Todos os que se cruzaram com ela na rua se viraram para olhar para aquela mulher tão agasalhada. Ela estava nervosa. "Ai meu Deus! Se o Nel sabe..." Zé acalmou-a, levou-a para o quarto e começaram a tirar a roupa.
Nisto, ouviram um rebuliço no corredor, gritos, berros e correria. Maria arregalou os olhos.
- É o Nel!
- Não pode ser. Calma. Vou ver o que se passa.
Zé seguiu em direcção à entrada, em cuecas, quando começaram a bater violentamente na porta. Hesitou. Não podia ser o marido, era impossível. E aquela barulheira toda, só se ele tivesse trazido os amigos todos com ele. "Vou ser linchado", pensou, "desmembrado e atirado aos cães, um mártir da nova moral". Então, ouviu:
- Abra, é a policia! Abra senão arrombamos a porta!
Zé abriu a porta. Foi lançado contra a parede por uma avalanche de homens armados e aos berros. "Revistem tudo. Vejam na cozinha. Rápido." Zé queria saber do que se tratava. O agente disse que tinham invadido o apartamento do Pedro Dias, que era ao lado do seu, mas ele conseguiu fugir pela área de serviço. Estava ali e eles iam apanhá-lo. Pedro Dias, o bandido mais procurado de Portugal. Desta vez não ia escapar.
Os policias que entraram no quarto, abriram a porta do roupeiro e encontraram Maria, seminua e apavorada.
- Aqui está ele! - gritou um policia antes de se aperceber de que não era o Pedro Dias, mas uma mulher.
Maria saiu a correr do quarto, atravessou o corredor aos gritos sem saber se tapava a cara ou o peito. Entrou na cozinha e caiu nos braços de Pedro Dias. Quando Zé e o agente chegaram à cozinha, Pedro Dias segurava-a pelas costas e tinha uma faca encostada na garganta de Maria.
- Mais um passou e eu mato-a!
O agente fez um gesto aos policias e falou:
- Certo, certo. Não mate a senhora, vamos conversar.
Pedro Dias mandou sair toda a gente, comunicaria com eles através de Maria. Enfiou a cabeça dela pela porta e mandou dizer que exigia um carro para sair dali. Senão Maria morria. Ela gaguejou, não conseguia falar. Zé disse:
- Calma Maria, confia em mim.
Maria conseguiu finalmente transmitir o recado. O agente mandou dizer que providenciaria o carro, mas precisava de tempo. Chegaram fotógrafos e repórteres. A TVI e o Correio da Manhã em peso.
Quando Pedro Dias empurrou a cabeça da Maria para fora novamente, já estavam as câmaras todas prontas a captar o momento.
- E-ele di-diz que espera s-só cinco minutos! - disse Maria, cega com as luzes das câmaras. Um dos repórteres colocou um microfone perto da boca dela. Pedro Dias puxou Maria para dentro. Os repórteres entrevistaram Zé. Quem era a mulher? Uma amiga? Namorada? Amante?
O agente mandou dizer que o carro estava pronto. Pedro Dias saiu da cozinha com um braço em torno da cintura nua de Maria e com a faca no seu pescoço. Se alguém se mexesse, ela morreria.
- Calma Maria, calma. Confia em mim. - dizia Zé com os olhos arregalados.
Pedro Dias desceu com a Maria. As câmaras de televisão seguiram atrás. Na rua havia uma multidão. Um policia ia na frente, afastando os curiosos.
- É o Pedro Dias! É o Pedro Dias. Esse ninguém apanha.
Pedro Dias entrou com Maria no carro. Mandou que o carro arrancasse.
Em casa, as crianças gritaram:
- Papá, olha a mamã na televisão!
Em algum ponto do caminho, Pedro Dias mandou parar o carro. Saiu e puxou Maria através de um matagal, na escuridão.
- Eles nunca me vão apanhar. Nunca. Vou desaparecer.
Largou Maria e disse que ela estava livre, que arranjasse maneira de voltar a casa. Ela assim o fez, só conseguindo chegar no dia seguinte de manhã e pronta para tudo. Merecia tudo o que Nel faria com ela. Na calçada em frente a sua casa, ouviu a vizinha:
- Com que então na televisão hã, Maria?
As crianças vieram a correr:
- Mamã, apareceste na televisão!
E atrás das crianças veio o Nel, orgulhoso e sorridente:
- Na televisão hã? Sim senhora. Parecias a Catarina Furtado!!!!



Obs: Este texto foi escrito antes do Pedro Dias decidir entregar-se às autoridades. Podia ter esperado mais uns dias :p

Share this:

ABOUT THE AUTHOR

Hello We are OddThemes, Our name came from the fact that we are UNIQUE. We specialize in designing premium looking fully customizable highly responsive blogger templates. We at OddThemes do carry a philosophy that: Nothing Is Impossible

4 comentários:

  1. ... :) :) :) Está demais :) Mas fiquei feliz pelo Nel ficar orgulhoso da mulher que tem :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, ela apareceu na televisão e escapou a um bandido :D

      Eliminar
  2. Adorei o texto, fez-me rir, vou passar a seguir o blogue.
    Gábi

    ResponderEliminar