Biblioterapia




Foi em 1916, num artigo da revista "The Atlantic Monthly" que se escreveu pela primeira vez sobre a biblioterapia. O Conceito do Dr. Bangster era receitar livros a quem deles precisava.
Foi depois da I Guerra Mundial, nos Estados Unidos, a quem sobretudo soldados regressados, eram recomendados livros destinados a ajudar na sua convalescença. Hoje é a britânica Escola da Vida, do filósofo Alan de Botton, que a torna popular. Afinal, a tão falada Escola da Vida nas redes sociais, existe mesmo! E não se trata apenas de receitar livros de autoajuda para vencer a depressão ou os transtornos de ansiedade, mas o recurso à ficção, servindo para tratar corações partidos, exaustão, perda de fé ou até o medo de viver em sociedade. Os livros prometem tratar de tudo um pouco.
Tudo começa com um questionário. Nele, o paciente fala sobre o que gosta de ler, como é a sua vida, se é casado, solteiro ou divorciado, se tem filhos, quais as sua preocupações, as situações que tem para resolver e quais os autores que não gosta. Depois, a sua vida e a leitura são unidas para perceber o que se passa e é-lhe receitada uma lista de 6 livros que o vão ajudar naquele momento em particular.
Não há um estudo científico que confirme os benefícios da biblioterapia, ainda assim, são vários os trabalhos que atestam os benefícios da leitura, sendo o principal beneficiário o cérebro.
Os livros são mágicos e transportam-nos para lugares felizes, fazem-nos viajar sem sair do lugar e viver vidas díspares da nossa. Ler ajuda no desenvolvimento da empatia e da inteligência emocional e é um bom começo de conversa social.
Como Pablo Neruda citou: " Livro, quando te fecho, abro a vida."

Share this:

ABOUT THE AUTHOR

Hello We are OddThemes, Our name came from the fact that we are UNIQUE. We specialize in designing premium looking fully customizable highly responsive blogger templates. We at OddThemes do carry a philosophy that: Nothing Is Impossible

4 comentários:

  1. Toda a gente devia ler, é algo que nos completa e faz aprender sempre alguma coisa. Eu adoro e tenho pena de não conseguir ler ainda mais!

    ResponderEliminar