Características de uma boa mãe



Ainda não sou mãe e não sei se algum serei, mas se for, estou determinada a ser uma boa mãe.
Nunca sonhei em ser mãe, nunca foi um objectivo de vida para mim, só que, se acontecer, darei o melhor de mim e farei o que acho ser o mais correcto a fim de criar um ser humano digno e bem educado. Obviamente que, todas as mulheres que são mães, acham que estão a fazer isso ( assim o espero ) e não há só uma fórmula de o fazer, vai da consciência de cada uma.
Como mulheres que somos, comparamo-nos umas às outras. Sempre foi assim e sempre será e eu não sou diferente!
O facto de ter deixado a maternidade para último plano, deu-me tempo para observar e tirar as minhas conclusões. Há duas maneiras de fazer isto: comparar os pontos fortes que vemos nas outras em relação às nossas fraquezas e seguir o exemplo. Ou podemos focar-nos nas falhas que vemos nas outras para nos desculparmos das nossas e aumentar a nossa auto-estima. Aviso já que a última opção não favorece ninguém. O melhor mesmo é parar de olhar para o que os outros fazem e usar essa energia para cuidar dos filhos, pois vejo muitas mães que são mais infantis que os próprios filhos. Não têm paciência nem vontade de os educar e criam pequenos monstros que se irão tornar em adultos desprezíveis.
Deste meu "estudo de mercado" colectei 5 características do tipo de mãe que aspiro ser:

Investir tempo e energia para compreender os filhos
Para as crianças a percepção é a realidade. Se elas percebem que a mãe está sempre ocupada e distraída, isso torna-se facto para elas. Quando eu era criança, o meu pai estava sempre ausente, nunca aparecia quando me sentia vulnerável, nunca me deu um carinho. Já a minha mãe, nunca tinha paciência para mim e passava o tempo a berrar comigo e a dar-me sovas. Nunca, nenhum dos dois conversou comigo, nem me explicaram o que eu estava a fazer de errado e como o devia fazer. A conclusão que tirei foi que nenhum dos dois gostava de mim.
Como adulta que sou hoje, sei que não é bem assim, mas a distância que se criou, não desapareceu. Por isso, acho essencial investir tempo e energia para entender as crianças. Procurar perceber a perspectiva delas é o primeiro passo para uma relação feliz e saudável com os filhos.

Ensinar os filhos a exprimirem os seus sentimentos
Os miúdos vêm as coisas segundo a perspectiva deles. Se não dividirmos com eles as nossas, não têm ferramentas de comparação. Devemos, pacientemente, explicar-lhes a razão porque não podem fazer isto ou aquilo ou dizer isto ou aquilo, assim como explicar-lhes o porquê de não podermos passar tanto tempo com eles. O diálogo ajuda as crianças a perceberem a razão das coisas e também ajuda a criarmos laços de confiança e honestidade na nossa relação com eles. Como pais, é nossa obrigação ensiná-los a exprimirem-se de forma positiva e não com birras, e essa atitude irá mostrar-lhes que queremos saber o que eles pensam e sentem e vai fazê-los sentirem-se seguros.

Ser proactiva em vez de reactiva
As crianças têm necessidades próprias da sua personalidade e idade que só os pais podem perceber, até para prevenir problemas antes que aconteçam. É uma escolha nossa ser proactiva ou reactiva nas situações e servirá de lembrança aos filhos do seu valor para os pais. Permitir aos filhos de participarem nas tarefas domésticas, assim como a escolherem actividades para fazer em familia, irá trazer-lhes sentido de responsabilidade e importância.

Aceitar as limitações
É importante termos noção das nossas limitações e pedir ajuda quando necessário. Não há supermulheres! Somos todos seres imperfeitos. Pedir desculpa aos filhos quando nos passamos dos carretos, mostra-lhes que ninguém é perfeito e que irá acontecer mais vezes ao longo da vida.
Deixar os filhos com alguém para poder arrumar a casa em paz, ir às compras, ao cabeleireiro, sair com as amigas ou com o marido, tirar umas férias "de adulto" de vez em quando, não é nenhum crime e não dá direito a medalha para piores progenitores. É saudável. Não precisam de provar nada a ninguém. Não serão piores pais por isso. Garanto.

Amar os filhos não só em palavras, mas em actos
As crianças ( e nós ) precisam de saber que são amadas. As palavras têm o valor que têm, ou seja, nenhum, se as acções mostram o contrário. Esse será, sem dúvida, o melhor presente que lhes podemos dar: amor, tempo, atenção...
Dar-lhes, por exemplo, 10-20 minutos de total atenção por dia, preenche-os e liberta-os para irem brincar, felizes da vida, enquanto nós fazemos as nossas tarefas diárias.


Certamente não é um trabalho fácil, será um desafio diário com constantes altos e baixos. É a tarefa mais árdua da vida, por isso acho imprescindível pensar bem antes de ter filhos e preparar-se para tal. A maneira como uma criança se torna num adulto, é total responsabilidade nossa e eu vejo tantos pequenos monstrinhos que é assustador.
Alguém por aqui é mãe? O que acham do que acabei de dizer? Concordam, não concordam, adicionam ou retiram algo?

Share this:

ABOUT THE AUTHOR

Hello We are OddThemes, Our name came from the fact that we are UNIQUE. We specialize in designing premium looking fully customizable highly responsive blogger templates. We at OddThemes do carry a philosophy that: Nothing Is Impossible

0 comentários:

Enviar um comentário